Manual da Compra

Review JBL Quantum 300: Leia a análise completa!

Em 2020 a JBL entrou de cabeça no mercado de headsets gamer e lançou a linha JBL Quantum, com fones para todos os gostos e necessidades. O JBL Quantum 300 é o modelo intermediário da marca, e o primeiro a trazer uma placa de som com recurso Surround de áudio.

O JBL Quantum 300 é um headset gamer intermediário compatível com diferentes dispositivos, tem conexão USB e de 3,5 mm, som Surround e oferece um bom conforto. Ele possui microfone com sistema de Flip to Mute e uma série de possibilidades de configurações via software, o que chama a atenção perante os concorrentes.

Review JBL Quantum 300
JBL Quantum 300. (Foto: Divulgação/Manual da Compra)

Veja a seguir o review completo que o Manual da Compra preparou do JBL Quantum 300.

  • Tipo: Over ear
  • Drive: 50 mm dinâmico
  • Impedância: 32 Ω
  • Resposta de frequência: 20 Hz a 20 KHz
  • Fio: Conexão para fio P2 3,5 mm e placa USB
  • Microfone: Direcional e não destacável
  • Construção: Estrutura em alumínio, peças de plástico, conchas com espuma de memória e revestimento em couro sintético
  • Surround 7.1: Sim
  • Peso: 245 gramas
  • Compatível com: PC, MAC, PS4, PS4 Pro, PS5, Xbox One, Xbox Series S/X, Nintendo Switch e Smartphones

Design

Design JBL Quantum 300
Design do JBL Quantum 300. (Foto: Divulgação/Manual da Compra)

O JBL Quantum 300 não possui um visual “diferentão”, então por um lado ele não se destaca na estética, mas também não é feio. Toda a sua carcaça é feita em plástico e parte da estrutura da haste é feita de alumínio, o que o deixa leve. Nas laterais das conchas está gravado o logo da JBL em alto-relevo, enquanto as “bordas” externas dessas conchas possuem pintura em preto piano.

Detalhes externos do JBL Quantum 300
Logo e detalhes externos do JBL Quantum 300. (Foto: Divulgação/Manual da Compra)

Essas conchas giram em 90 graus, o que é bom para quem tem mania de deixá-las no pescoço, já que elas se adequam bem ao tórax do usuário. A empresa ressalta que essas conchas são feitas de espuma de memória, que fazem com que o fone se adeque mais rápido à orelha do usuário.

Elas são macias, mas comparando com outros fones cuja espuma também é da mesma “tecnologia”, sentimos que essas são levemente mais duras, porém nada que chegue a incomodar.

Conchas do JBL Quantum 300
As conchas do JBL Quantum 300 giram em 90°. (Foto: Divulgação/Manual da Compra)

O revestimento delas é feito de couro sintético, que parece ser resistente e não esquenta com uso contínuo. O JBL Quantum 300 foi testado por várias horas e não tivemos nenhum problema com as conchas esquentando ou algo parecido.

Concha do JBL Quantum 300 é de espuma de memória
A concha do JBL Quantum 300 é de espuma de memória e revestida de couro sintético. (Foto: Divulgação/Manual da Compra)

A haste tem regulagem em seis níveis de altura, acabamento emborrachado e também é revestida de uma espuma na parte que entra em contato com a cabeça. É um fone confortável dentro das suas limitações técnicas e preço, e não deverá causar incômodos ao usuário mesmo usando por várias horas.

A haste do JBL Quantum 300 tem revestimento emborrachado
A haste do JBL Quantum 300 tem revestimento emborrachado. (Foto: Divulgação/Manual da Compra)

Notamos que as peças do fone ficavam dando alguns "estalos" sozinhas. Basta fazer um mínimo (mínimo mesmo) movimento com a cabeça para escutar alguns “tec tec”. Talvez isso amenize ou até passe com o tempo, mas nos dias iniciais de uso, sempre que o fone estava sem som, era possível notar esses estalos constantes.

O microfone não é destacável e o único “atalho” que existe no JBL Quantum 300 é uma pequena rodinha na sua parte traseira, para alterar o volume. Ao mover o microfone para cima, ele automaticamente fica no mudo. Vamos dar detalhes sobre isso mais à frente.

Atalho para regular o volume no JBL Quantum 300
Atalho para regular o volume no JBL Quantum 300. (Foto: Divulgação/Manual da Compra)

Qualidade de áudio

JBL Quantum 300 possui recurso 3D Surround
O JBL Quantum 300 possui recurso 3D Surround. (Foto: Divulgação/JBL)

O grande destaque do JBL Quantum 300 é ter uma pequena placa de som, que além de trazer algumas equalizações pré-definidas, também traz o Quantum SOUND Signature. Os drivers são de neodímio de 50 mm, cujo desenvolvimento é focado em oferecer uma boa experiência em jogos. O usuário pode ativar o som Surround e sair de 5.1 canais para 7.1 canais, deixando o áudio em “3D” e ficando totalmente imerso no jogo.

A qualidade dos graves é muito boa, sendo a frequência que mais se destaca no fone. Os médios e agudos são na medida, mas em algumas equalizações eles poderiam ter sido melhor configurados. Felizmente o usuário pode fazer isso manualmente pelo software da JBL, programa que vamos detalhar no próximo tópico.

O JBL Quantum 300 entrega uma boa experiência de áudio em músicas, filmes e principalmente em jogos. Para quem gosta de jogos FPS, irá perceber que o fone dá um bom nível de detalhes sonoros, então você escutará com clareza de onde estão vindo os passos, explosões, sons ambiente, entre outros detalhes.

Se o usuário ligar esse fone pela entrada 3,5 mm, ele não terá acesso ao recurso Surround e perderá um pouco de ganho de som, então sempre que você tiver a oportunidade de usá-lo com a placa USB, é a melhor opção, até porque esse é o diferencial do modelo 300. Se você pretende usar o fone majoritariamente pela entrada de 3,5mm, pode investir no Quantum 200, que é mais barato justamente por não ter a placa de som.

Software

Software JBL Quantum Engine
Software JBL Quantum Engine. (Foto: Divulgação/Manual da Compra)

O Software Quantum Engine é um dos pontos positivos desse fone. O usuário pode fazer uma configuração bem completa no JBL Quantum 300, selecionando equalizações já definidas para diferentes usos e alterando frequências específicas dessas equalizações.

Pelo software também é possível ligar, desligar e fazer configurações avançadas do recurso de Surround, definir ajustes avançados baseados em altura e tamanho da cabeça do usuário e até mesmo fazer configurações básicas no microfone.

Software JBL Quantum Engine
Software JBL Quantum Engine. (Foto: Divulgação/Manual da Compra)

Todas essas possibilidades de configurações podem ser salvas em perfis de usuário, então você pode montar ajustes para diferentes jogos ou situações (jogar, assistir a filmes, ouvir música).

Fio e placa de som

JBL Quantum 300 possui conexão USB e 3,5mm
O JBL Quantum 300 possui conexão USB e 3,5mm. (Foto: Divulgação/Manual da Compra)

Como citamos, o JBL Quantum 300 chega com dois tipos de plug, o principal de 3,5mm e tamanho de 1,2 metros, e o adaptador de áudio USB que tem 1,5 metros. O cabo dos dois é bem fino, mas é totalmente trançado e passa a sensação de ser bem resistente, não se rompendo fácil.

O fato de ele ter esses dois tipos de conexões o torna versátil para ser usado em outros dispositivos. O usuário pode conectar o fone em PC, notebook, MACs, celulares, Nintendo Switch, Xbox One, Xbox Series S/X, Playstation 4 e Playstation 5.

Microfone

Microfone do JBL Quantum 300
Microfone do JBL Quantum 300. (Foto: Divulgação/Manual da Compra)

O Microfone do JBL Quantum 300 não é destacável, o que vai contra a tendência do mercado adotada até mesmo pela própria linha Quantum em outros modelos. Ele possui a função Flip to Mute, ou seja, ao subir o microfone o áudio é silenciado automaticamente. Você vai escutar um pequeno “clique”, indicando que ele foi desligado ou ligado, dependendo do movimento feito.

O áudio do microfone é bom para a comunicação com amigos durante a jogatina ou mesmo para participar daquela reunião online. Caso você vá usar o fone sem a placa de som, o outro lado da conversa pode perceber alguns pequenos ruídos na sua voz. A haste do microfone é flexível, mas não tanto quanto outros modelos já testados aqui. Você vai conseguir ajustar sua posição, mas digamos que ele é mais “resistente” a isso.

Pelo JBL Quantum Engine é possível definir a altura de voz do microfone, o que já é alguma coisa comparado com outros modelos do mercado que se esquecem totalmente de oferecer configurações para esse componente.

Conclusão: Vale a pena comprar o JBL Quantum 300?

O JBL Quantum 300 é um fone gamer intermediário e não foge muito disso. A qualidade do seu áudio é bem satisfatória, com destaque para os graves que ele consegue reproduzir muito bem. O recurso Surround também funciona como esperado e é excelente na hora de jogar, que é o verdadeiro foco deste periférico.

O conforto proporcionado também agrada, e o usuário pode usar o fone em diferentes dispositivos, seja em computadores, celulares ou consoles. O principal ponto positivo é a boa quantidade de configurações que podem ser feitas via software.

Como pontos negativos, destacamos os pequenos “estalos” que ele faz praticamente sozinho, com mínimos movimentos na cabeça. Além disso, tivemos alguns problemas com o software Quantum Engine, que simplesmente parava de funcionar algumas vezes, então o fone não funcionava mais, mesmo com a aplicação sendo finalizada.

No geral o JBL Quantum 300 é um bom fone e entrega tudo que um modelo da sua faixa de preço deve ter. Se você está procurando um bom fone intermediário para jogos, ele é sim uma opção de compra a se considerar.